Alleycat


Que fenómeno é esse da competição e da procura louca da posição de destaque, em que a glória súbita se afasta da igualdade e da dádiva?

Na “Seleção natural de espécies”, segundo alguns teóricos nomeadamente o nosso Charles Darwin, consta que o mais adaptado sobrevive perante as arrogâncias da natureza, e define-se o ser humano como um ente que quer sempre lutar e vencer, conquistar território e dominar, e onde a solidariedade e o companheirismo são um miasma que a minha emoção recusa compreender!

Que ilusão essa narcisística da recorrente luta pelo titulo de campeão que nada de mais faz que nos dar a falsa sensação de grandeza e aceitação social apontadas num rascunho efémero e passageiro!


Há uma fúria primitiva que me persegue sempre que sou ultrapassado e que me impele a competir!..

Naquele  dia, deviamos ainda estar na Primavera, rodava na Avenida João XXI e confrontei-me com o J. P. no vermelho da Avenida de Roma!

... não me viu, porque a sua concentração na primeira linha dos carros a aguardar verde estava focada em manter a sua clássica bicicleta na vertical e tranquilamente estática, daí nessa abstração não me ver.

Gostava de ter aquela habilidade - pensei eu -.uma segunda-feira destas terei que ir a um treino aberto de Bike Polo para iniciados!.. Deve ser interessante! - continuava eu a pensar enquanto o olhava, e nestes pensamentos não tinha aproveitado o momento em que num cruzamento todos os carros estão parados!..

Momento único e rápido esse, conhecem?
São alguns segundos de pausa no trânsito de ambos os lados, em que só temos que acautelar as motas que venham de trás lançadas quando um dos lados muda para verde!

Para mim aquelas habilidades eram resquícios do seu Bike-Polo! Já me tinha deparado com outros ciclistas naquelas artes circenses!

...Mas  naquele momento tinha um problema!
Ia no mesmo sentido que ele e com muita pressa!! Sabia que não se ultrapassa um ciclista daquele calibre sem mazelas.
Então lentamente cumprimentei-o, mantive durante alguns segundos uma conversa de circunstância, perguntei-lhe pelo percurso mais recto para a Duque de Ávila (farto de saber qual era! ...iria para o Velocitá Café?) e disse lhe até logo... Rapidamente senti, vindo da retaguarda, uma forte trepidação de pedaleio galopante... O J.P. não esteve de modas e ultrapassou-me, e eu claro, tirei-me de diplomacias e tornei a ultrapassá-lo...
Depois foi um tal alucinante ultrapassar-mo-nos entre carros e sinais vermelhos que rapidamente nos encontrava-mos no lugar por mim indagado!... E a bafejar despedi-mo-nos sorrindo...
Aquele foi de facto o meu primeiro Alleycat a serio!

Há uma fúria primitiva que me persegue sempre que sou ultrapassado e que me impele a competir!..

 alleycat! Que infantilidade a minha!

Naquele principio de tarde de primavera com o J. P. aconteceu o mesmo que acontece quase sempre em todas as situações semelhantes e em qualquer estação do ano!

Nestes duelos se não houver joelhos rasgados pelo alcatrão surge sempre algo inesperado, que é a exultação extrema vinda do mais fundo, mesmo perdendo! Conhecem? Vale a pena experimentar

Tudo isto mais se empola quando monto uma bicla rápida. A raiva no pedaleiro é constante nessas andanças urbanas!

Mas o que numa primeira análise parece errado e até inconsciente tem-me posto a refletir.

Cheguei à conclusão que o Alleycat é a melhor das atividades desportivas (exercício) e de locomoção que o ciclista pode fazer na cidade em beneficio da segurança.

É aparentemente arriscado, mas não é! ...para quê essa risadazinha caro amigo leitor?

Então reparem… Vou expor a coisa! :)

Muito perigoso é andar devagar no meio do trânsito agitado sem temer terceiros quartos e quintos. Ou melhor, tudo e todos! Assusto dizer isto?

A cidade fica segura para o ciclista se este andar por ruas e vielas estreitas e de pouco transito. Se pedalar por vias com o máximo de duas faixas ou atentamente na pistas cicláveis que a edilidade nos oferece... Disse atentamente sim, escrevi.

Se me permitem a dica, é sempre conveniente procurar os percursos onde se pode andar de guardas em baixo e tranquilamente! Mas se quisermos atravessar a cidade rapidamente, sem os atrativos da deambulação e da contemplação, teremos que usar todas as vias quer sejam largas, estreitas, de farto ou suave transito. Nesse caso a lentidão é inversamente proporcional à SEGURANÇA.

E como o nome da mítica corrida de estafetas indica (Alleycat) seguindo com a astúcia e a agilidade de um gato pelo meio do transito é como seremos mais eficazes na condução e conscientes nas opções.

BOAS PEDALADAS
 Ass. Um tipo que gostava dee ser  Gato  :)
2013





0 comentários: